Quem sou?

A minha fotografia
Olá, eu sou o Paulo Fernandes. Neste momento encontro-me a terminar o curso de Licenciatura de Marketing Turístico na Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar (ESTM), em Peniche (Instituto Politécnico de Leiria - IPL). Paralelamente, sou membro da Associação de Estudantes da ESTM e Presidente do Núcleo de Estudantes de Marketing Turístico, ao qual pertenço desde que me encontro nesta escola. Com este blog pretendo dar-vos a conhecer as mais recentes notícias na área do marketing, publicidade e inovação. Por outras palavras, vou dar seguimento ao outro blog (amktview), portanto, sintonizem-se e deixem-se emaranhar por este maravilhoso mundo que é o do Marketing! Obrigado

Pesquisar

A carregar...

sexta-feira, 9 de Setembro de 2011

v8.0 - Recrutamento e Retenção de Talentos na Era das Mídias Sociais

Marketeers e/ou Futuros Marketeers, recomendo a colocaram este WebSite nos vossos favoritos, pois é de grande utilidade e actualizações constantes sobre algo que, futuramente, vos dirá muito respeito, tal como diz a tantos nós. Consultem, também, a agenda do mesmo pois há sempre algumas temáticas e workshops que podem ser interessantes de participar.


"Com a penetração cada vez maior das redes sociais online nas vidas das pessoas, cada vez mais as pessoas usam as plataformas digitais para conduzirem suas vidas e carreiras profissionais. Isso transforma o mercado, trazendo tanto oportunidades quanto ameaças para as empresas. Se por um lado as mídias sociais permitem se conhecer melhor os candidatos a contratar e, principalmente, acompanhar e monitorar os colaboradores da empresa, por outro lado, as mesmas mídias sociais colocam os colaboradores na rede para se expressarem e se conectarem com mundo. Nesse cenário, é extremamente importante que os profissionais de recursos humanos das empresas estejam preparados para aproveitar o novo ambiente digital, estabelecendo uma nova forma de gestão que alavanque o potencial humano da organização e minimize os riscos.

Esse artigo busca responder sucintamente duas questões principais que os profissionais de RH têm enfrentado diariamente: a) como selecionar candidatos utilizando o ambiente digital online e; b) como “acompanhar” os colaboradores da empresa nessas plataformas.
Antes de qualquer coisa, é importante lembrar que as organizações hoje contam com colaboradores de até três gerações – baby boomers, geração X, geração Y. Conhecer as características de utilização do ambiente digital online de cada geração é o primeiro passo para se fazer qualquer análise de seleção ou retenção profissional. Os baby boomers e a geração X tendem a usar as mídias sociais de forma muito distinta dos jovens da geração Y, tanto em frequência de uso quanto nas plataformas que escolhem.
Assim, para traçar uma estratégia de recrutamento e retenção de talentos por meio das mídias sociais, é necessário se levar isso em conta. Em outras palavras, se o profissional em questão (por exemplo, baby boomer) não utiliza as mídias sociais ou utiliza muito pouco, o recrutamento ou mesmo o monitoramento desse profissional nesses ambientes não será tão rico quanto para um profissional que utiliza essas plataformas de forma fluente, como normalmente ocorre com a geração Y. Dessa forma, deve-se sempre ter em mente o perfil e geração em que o profissional em questão se encontra.
Recrutamento 2.0
Usar as mídias sociais para recrutamento e seleção de talentos é uma prática cada vez mais comum. As mídias sociais oferecem informações valiosas para se conhecer melhor as pessoas, tornando mais fácil tanto conhecer seus interesses para atraí-las, quanto conhecer suas características profissionais e pessoais para análise e verificação da adequação do seu perfil à organização.
Segundo o vídeo Social Media Revolution 2011, baseado no livro Socialnomics, 95% das empresas que utilizam mídias sociais para recrutamento usam o LinkedIn. Somando-se isso ao fato de que o LinkedIn é o maior site de redes sociais mundial com foco em networking de negócios, e um dos que mais crescem (um novo membro entra no LinkedIn a cada segundo), isso o torna, sem dúvida, uma das principais plataformas para recrutamento e seleção. Mesmo os profissionais das gerações X e os baby boomers conhecem a importância do LinkedIn e mantêm perfis nessa rede.
No entanto, não só de LinkedIn deve viver a seleção e retenção de talentos. O perfil no LinkedIn é um bom ponto de partida, mas ele se limita principalmente às informações que o profissional apresenta sobre si. Logicamente que podem haver depoimentos e outras informações que ampliam a informação do profissional, mas, ainda assim, existem outras formas de se ampliar ainda mais o perfil para seleção.
Uma busca no Google e uma pesquisa nos outros sites de redes sociais podem ser bastante interessantes, como SlideShare, Youtube, Twitter, Facebook, por exemplo. Assim, vejamos o que cada uma dessas plataformas pode acrescentar ao perfil do profissional (entre parênteses, na frente de cada uma está a predominância das informações que são obtidas em cada rede):
LinkedIn (profissional) – Fornece informações profissionais, habilidades, formação, áreas de interesse e avaliação do networking do candidato. O tamanho e qualidade da rede de relacionamentos do profissional, por exemplo, podem oferecer informações valiosas sobre o perfil profissional da pessoa.
SlideShare e Scribd (profissional) – Esses sites são os principais repositórios de apresentações. Profissionais que tenham perfis e apresentações nessa plataforma mostram suas habilidades de preparar apresentações e que tipo de conteúdos dominam (já que teoricamente, montaram apresentações sobre os mesmos). Alguns profissionais (como eu, por exemplo) conectam automaticamente o seu perfil do SlideShare com o LinkedIn, de forma a apresentar os conteúdos no perfil profissional diretamente.
Youtube (profissional e pessoal) – Uma busca pelo nome da pessoa no Youtube pode fornecer informações tanto sobre as características pessoais quanto profissionais de um candidato. Descobrir que pessoa tem vídeos sobre um hobby, por exemplo, pode ampliar as informações de perfil do candidato. Vídeos com atuação profissional da pessoa, também ampliam o perfil nessa área. Um fato especialmente interessante no caso de vídeos é que eles revelam outras dimensões sobre a pessoa que não podem ser avaliadas em outras plataformas, como expressão corporal  e oral e apresentação pessoal. Encontrar vídeos do candidato falando outra língua, pode revelar a fluência real da pessoa no outro idioma. Se o profissional tem um perfil/canal no Youtube, isso pode revelar bastante sobre suas preferências.
Twitter (profissional e pessoal) – O perfil no Twitter revela informações sobre os interesses da pessoa e o seu ritmo online. Não apenas as mensagens postadas podem oferecer dados importantes, mas também sua frequência, quem a pessoa segue, que tipo de informação ela fornece sobre si mesma na sua página de perfil, como é sua foto, background, descrição da bio etc. Devido às características inerentes de limitação no tamanho da mensagem e ritmo, o perfil no Twitter pode revelar, inclusive, o quanto uma pessoa é mais reservada ou expansiva, mais crítica ou comedida, se é prolixa ou não, o quanto é popular e em que áreas, o quanto é informacional, técnica etc.
Facebook e outras redes horizontais, como o Orkut (pessoal) – Todo profissional é uma pessoa, e o modo como essa pessoa se relaciona com amigos e conhecidos oferece informações importantes sobre seu comportamento pessoal e valores. As pessoas também conversam de trabalho em suas redes pessoais e muitas vezes se expressam mais livremente nas plataformas de relacionamentos pessoais, como o Facebook e Orkut, do que em plataformas de relacionamento profissional, como o LinkedIn. Assim, buscar as comunidades e grupos que a pessoa frequenta pode dizer muito sobre ela. Existem casos famosos de profissionais que foram rejeitados em seleção porque participavam de comunidades e grupos do tipo “eu odeio trabalhar”. Essas informações certamente não são publicadas no perfil do LinkeIn. Outras informações interessantes que podem ser obtidas nessas redes são hobbies, atividades extra profissionais etc, que podem contribuir na construção do perfil profissional/pessoal do candidato.
Google e outros buscadores (profissional e pessoal) – Fazer  uma busca no Google pelo nome da pessoa traz um panorama da pessoa no ambiente digital, considerando-se todas as plataformas indexáveis (como LinkedIn, Youtube, SlideShare, Facebook, Twitter, blogs, sites, páginas etc.). Isso amplia o perfil traçado por meio das informações obtidas apenas nos sites de mídias sociais apresentados acima, pois muitas vezes, o profissional é citado em blogs, sites, fóruns etc. Isso pode fornecer informações valiosas para análise e balanceamento de informações entre os perfis pessoal, profissional e atuação pública da pessoa. Uma pessoa que não aparece nas buscas, por exemplo, mostra que tem pouca atividade digital e pode também revelar que não é relevante no mercado, já uma pessoa relevante é bastante citada por outras, mesmo que ela não tenha perfis próprios no ambiente digital.
Além dos sites apresentados acima, é interessante buscar pela pessoa em sites de redes sociais e fóruns específicos da área de conhecimento que se deseja. Muitas vezes, os fóruns específicos são a melhor fonte de informações sobre as habilidades técnicas e profissionais de uma pessoa. Outras fontes interessantes para obter informações sobre pessoas são o SPOKEO.com e 123people.com.br – esses sites fornecem um mini dossiê da pessoa baseada em sua atividade online. O site Geni.com traça a árvore genealógica da pessoa, baseado nas conexões online em suas redes.
Logicamente, as informações obtidas online só terão valor se analisadas adequadamente pelo profissional de RH, de forma a considerar a geração a que o candidato pertence e analisando os relacionamentos entre os dados para análise de perfil.
Monitoramento de Colaboradores da EmpresaAs mídias sociais e o ambiente digital online oferecem um ambiente propício para a expressão pessoal dos colaboradores – e isso pode trazer oportunidades e ameaças para os profissionais de recursos humanos das empresas.
A principal oportunidade é conhecer melhor os colaboradores por meio do monitoramento dos mesmos em suas atividades online – isso permite que a empresa ouça e se aperfeiçoe e também para que possa aproveitar melhor os talentos. Quanto a ameaças, as principais referem-se à segurança da informação e manutenção da imagem da empresa – publicação de fotos e dados sigilosos em perfis pessoais bem como a postagem de comentários negativos sobre a empresa nas plataformas digitais feitos pelos colaboradores de uma empresa podem afetar tanto sua imagem quanto os negócios. Assim, é essencial desenvolver uma estratégia de monitoramento e acompanhamento dos colaboradores.
Nesse caso, os mesmos sites e ferramentas digitais apresentados aqui para recrutamento e seleção podem ser usados para monitoramento dos colaboradores. No caso de monitoramento de colaboradores, no entanto, o ideal é se fazer a busca do nome do colaborador junto com o nome da empresa (e/ou seus produtos) de forma a identificar de forma mais direta as menções feitas da empresa por seus colaboradores.


É importante, no entanto, ressaltar aqui Empresas 2.0 são formadas por Pessoas 2.0, e que Pessoas 2.0 são formadas com Educação 2.0. Dessa forma, tão importante quanto o monitoramento dos colaboradores (que serve para ajustes de atuação da empresa e para auxiliar na gestão dos recursos humanos) é a educação desses colaboradores para entenderem como atuar nos ambientes online alinhados com a organização. Para tanto, é essencial que as empresas desenvolvam urgentemente políticas para nortearem os colaboradores em suas atuações online e programas de educação para que eles usem da melhor forma os recursos online para enriquecerem tanto sua colaboração na organização quanto sua carreira profissional."

segunda-feira, 25 de Julho de 2011

v7.0 - 10 tendências tecnológicas para os próximos 10 anos

"Quais tendências tecnológicas você acha que podem impactar sua vida nos próximos dez anos? O futurista e chefe do grupo de soluções de internet da Cisco, Dave Evans, preparou uma lista com dez delas. Confira a relação:
  • Internet das coisas: nascido em 2008, o conceito é definido basicamente pelo crescente número de aparelhos que estarão conectados à grande rede. Para o grupo de internet da Cisco, até 2020, 50 bilhões de dispositivos terão acesso à web, algo como seis por pessoa.
  • Zettaflood: a capacidade de armazenamento de cinco exabytes foi criada em 2008, o equivalente a um bilhão de DVDs. Três anos mais tarde, diz o futurista, o montante de informação criada era de 1,2 zettabytes. Muita da informação criada neste momento já é multimídia, a previsão é que em 2014 90% do tráfego na web seja vídeo. Assim, a era do zettaflood demandará muito das redes.
  • Explosão da nuvem: até 2020, a previsão é que ao menos um terço dos dados estejam abrigados ou passem por uma nuvem. Até 2014, o gasto de TI em inovação e cloud computing deve chegar a US$ 1 bilhão. Para as empresas, aconselha, é importante entender que esses ambientes são bons apenas se o ambiente de rede der o suporte adequado.
  • Próxima web: o futurista usa sua própria casa como exemplo e diz que, desde 1990, a velocidade da conexão aumentou 170 mil vezes. Nos próximos dez anos, acredita que isso crescerá três milhões de vezes.
  • O mundo está plano, assim como a tecnologia: com aumento da velocidade, melhora da comunicação e recursos disponíveis, as pessoas estão progredindo mais rapidamente. As revoltas árabes são exemplos do engajamento que pode ocorrer com o avanço da tecnologia. Tivemos ainda os alertas de Tsunami na costa norte-americana após o terremoto do Japão. Com esses eventos, a captura, disseminação e consumo das histórias ao vivo torna tudo em tempo real e mais próximo. Temos aí três pontos: banda larga móvel, internet e produção a qualquer hora e em qualquer lugar.
  • Poder: com o crescimento populacional e também da urbanização, cidades com um milhão de habitantes serão criadas a cada mês nas próximas duas décadas. Isso trará demandas imensas, inclusive energéticas. Mas algumas respostas existem. A energia solar é algo que poderá ajudar muito.
  • O ponto central estará em você: temos sempre nos adaptado às tecnologias. No futuro, isso irá mudar, elas se adaptarão aos nossos estilos. A última fronteira de integração serão as interfaces de máquinas cerebrais que, eventualmente, permitirão às pessoas com lesão na medula ter uma vida normal.
  • A próxima dimensão: temos assistido a um grande progresso do mundo físico para o virtual. Antes, comprávamos DVDs, cds, livros. Hoje tudo é baixado nos computadores e outros dispositivos com acesso à internet. Algo que tem crescido também é a impressão 3D. Num futuro não tão distante, eles acreditam que será possível imprimir órgãos humanos.
  • Nova árvore familiar: os avanços tecnológicos têm permitido a criação de entidades artificiais. Caracteres automáticos podem reconhecer voz e fazer projeções. Além disso, temos o avanço da robótica. Até 2020, os robôs serão superiores aos humanos. Acredita-se ainda que até 2025 a população de robôs vai ultrapassar a de humanos no mundo desenvolvido, para, em 2035, substituir os humanos enquanto força de trabalho.
  • Apenas o melhor: temos cruzado o limite da descoberta e nos tornamos mestres de nosso próprio destino. Somos praticamente o sol de nossos átomos e rapidamente estamos ganhando o controle sobre eles. De acordo com Stephen Hawking, ‘os humanos estão iniciando o estágio de uma evolução auto-concebida’. Essas tendências são apenas para nos lembrar o quão bom é o mundo e, assim, temos sempre que responder a questão: estamos prontos?"

sexta-feira, 15 de Julho de 2011

6.0 - Crise Sim, Turismo SIM


"opinião é partilhada por 57% dos inquiridos no âmbito do primeiro barómetro internacional sobre o turismo em Portugal, desenvolvido pelo Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT) e apresentado na VII Conferência Internacional em Hotelaria e Turismo.
A opinião dos turistas internacionais sobre Portugal como destino turístico é, no geral, positiva. Numa escala de 1 - muito mau - a 10 - muito bom -, 88% classificam entre 6 a 10 o destino turístico Portugal, sendo o nível 8 o mais recorrente, com uma incidência de 29%. No que toca às campanhas turísticas portuguesas, a classificação dos turistas mantém-se positiva, com uma incidência de 53% entre os níveis 6 e 10. Neste parâmetro, e em relação ao anterior, a pontuação desceu dois valores, para o nível 6.
As praias portuguesas continuam a ser o lado mais conhecido do país, já que 45% dos inquiridos associa “Sol e Mar” à imagem de Portugal. No entanto, 42% considera que a boa relação qualidade/preço que se pode encontrar quando se visita as cidades portuguesas deveria ser o factor mais enfatizado em campanhas promocionais no estrangeiro.
O estudo foi feito com base em entrevistas a profissionais de diversas áreas, como economistas, directores-gerais, professores, arqueólogos, advogados, entre outros, provenientes de 32 países."

sábado, 9 de Julho de 2011

5.0 - Marca de roupa que combate o abuso aos animais é lançada em Portugal

"(da Redação)
Imagem: Divulgação

Choose Clothing” é um nome à medida do que se pretende: estilo e alternativa. Essa recente linha de vestuário surge com uma proposta ética de combater o uso cruel de peles de animais na moda, e além disso, pregando o não desperdício e o respeito pela natureza.
Frederico Pereira e Ricardo Pereira, irmãos e sócios, vêm agregando este sonho em conjunto desde 2008. A ideia é simples e linear – e, para manter os critérios, nada mais que encontrar aquilo que as pessoas procuram e precisam.
Ideias únicas, aparência descontraída, de raiz nacional e aparte da imagem corrente e repetitiva a que a indústria obriga, é a forma mais clara de descrever a marca. A Choose trabalha por temas, tendo sido o último apresentado recentemente com base à crítica do uso de pele de animais.


Toda a roupa é desenhada por estes dois jovens e, posteriormente, produzida na fábrica de confecções, onde recorrem às peles sintéticas e outros tipos de materiais adjacentes. Apesar do público alvo ser toda a sociedade juvenil, pretendem, também, alcançar os outros setores da sociedade, abraçando o maior número possível de pessoas com o seu design moderno e prático sem nunca deixar de lado a boa imagem!
Para o projeto, a Choose juntou-se a LPDA (Liga Protectora dos Direitos dos Animais) para atingirem, em conjunto, à sensibilidade e consciência da pessoas referente aos milhares de animais mortos anualmente para servirem de roupa, o que, nos dias de hoje, é injustificável e desnecessário, defendem os criadores.
Os sócios prometem a expansão desse tema e a maior variedade possível. A venda ao público é realizada on-line, onde o consumidor encontra fotos dos produtos, que podem ser encontradis na página da empresa: www.choose.com.pt e também no perfil do Facebook: http://www.facebook.com/CHOOSECLOTHING.
Right Choose, Lda
Tm: +(351) 915 775 957 E-mail: choose@live.com.pt"
in ANDA

sexta-feira, 1 de Julho de 2011

4.0 - EDP muda para marca mutante

O novo branding da EDP quer criar uma imagem uniforme da empresa nos 13 mercados onde está presente, bem como em todos os sectores onde actua!







"Depois do sorriso, uma marca mutante. Uma marca que se mantém vermelha mas cujo logo se pode desdobrar em sete imagens em torno do nome EDP, e que tem como principal objectivo garantir uniformidade nos diferentes mercados e nos vários sectores onde a empresa está presente. Além de colocar ponto final a um imbróglio judicial que se arrasta desde 2005.


Com assinatura do designer Stefan Sagmeister, o novo branding procura, acima de tudo, criar uma imagem uniforme da empresa nos 13 mercados onde está presente e em todos os sectores onde actua. E com principal destaque para a marca, o nome: EDP!
Além de que põe ponto final numa polémica de alegada usurpação do logótipo e que atirou mesmo a energética para os tribunais. O processo foi interposto por uma empresa de Braga, O Feliz, e já se arrasta desde 2005, com a EDP a perder recentemente em tribunal. Com a mudança de imagem, a empresa liderada por António Mexia resolve um imbróglio de anos, dando novo salto junto de mercados, como os EUA, onde o sorriso desenvolvido em 2004 pela My Brand incorria variadas vezes em “confronto” com marcas já implantadas.
«Todas as marcas têm um ciclo de vida e consideramos que o anterior logo, o “smile”, já não representa a nova realidade da EDP e do mercado. O processo de internacionalização da companhia veio ainda reforçar o carácter não distintivo do “smile”, símbolo relativamente vulgar em diversos produtos e geografias, o que aliás trouxe também problemas de registo de marca e custos acrescidos. Paralelamente, a EDP foi confrontada com um processo interposto por uma empresa cuja logomarca era em tudo idêntica à da EDP e que já existia quando a EDP criou a sua, em 2004», explica Paulo Campos Costa, director de marca e comunicação EDP.
O designer que assina a mudança, Stefan Sagmeister, também é categórico: as diferentes declinações falam uma só linguagem, sendo que «uma companhia de energia que está em mudança precisa de uma marca dinâmica e flexível de forma a melhor transmitir os seus valores».
O processo arrancou há vários meses, tendo Paulo Campos Costa consultado um bom número de agências em Portugal e noutros mercados. Agora, e depois do trabalho finalizado, caberá à MyBrand tratar da arquitectura da marca, à Mola Ativism assegurar a sua implementação, e à ivity desenvolver tudo o que diga respeito a produtos comerciais. Segundo Paulo Campos Costa, após o desenvolvimento da nova imagem por Stefan Sagmeister havia que adaptá-la a um contexto nacional entendendo-se ser «positivo envolver agências nacionais no projecto que, pela sua proximidade, agilizavam o processo, dado que se tratou de um período de implementação curto».
O processo estendeu-se a todas as empresas do Grupo. Nas Renováveis, o verde desaparece para dar lugar ao encarnado, passando a existir a mesma marca global com um símbolo único em todo o mundo. O indicador “Renewables” será exclusivo para o mercado internacional, enquanto “Renováveis” se destina a Portugal e Espanha.
Em Espanha, e pela primeira vez na vida do Grupo, o nome EDP fará parte da marca: Naturgas Energía, no negócio do gás, e HC Energía, no negócio de electricidade, estarão sempre acompanhadas pela nova logomarca que poderá ter como fundo qualquer uma das variações.
Neste processo alargado e transversal, também as fundações foram sujeitas a um rebranding. A partir de agora, passam a ter o mesmo logo, independentemente do país, residindo a única diferença no nome. Em Portugal terão “Fundação”, em Espanha, “fundación hc energía” e no Brasil será “instituto”.

Depois, há ainda as empresas reguladas do Grupo - EDP Distribuição, EDP Serviço Universal, EDP Gás Distribuição e EDP Gás Serviço Universal - que passam igualmente a ostentar o encarnado, o nome EDP, mais a respectiva denominação da empresa em causa."

quarta-feira, 29 de Junho de 2011

3.0 - Conceitos de marketing

Quem acompanhava o blog, certamente que este vídeo não lhe é nada estranho. Porém, contrariando o que fiz anteriormente, desta vez vou deixar que o vídeo fale por si! Sem mais cerimónias......


1. Marketing directo (Direct Marketing)

2. Publicidade (Advertising)

3. Telemarketing (Telemarketing)

4. Relações Públicas
(Public Relations)


5. Reconhecimento da Marca (Brand Recognition)

6. Opinião/feedback do cliente (Customer Feedback)

7. Falha entre procura e oferta (Demand and supply gap)

8. Concorrência (C
ompetition eating into your market share)

9. Restrição à entrada em novos mercados (Restriction for entering new markets)

terça-feira, 21 de Junho de 2011

2.0 - PORTUGAL // The Beauty of Simplicity

PESSOAL, em primeiro lugar peço desculpa pela ausência de conteúdo, mas o último ano da licenciatura é capaz de tirar vida pessoal a um gajo pá.. e 1000 trabalhos para fazer + projecto + frequências = .. bom, nem queiram saber ao que é que isto leva!!!!!




_________________________________________________________________






Venho aqui deixar-vos um vídeo de PORTUGAL, premiado este sábado no Film, Art & Tourism Festival, na Polónia. Vejam bem se é ou não de orgulho em SERMOS PORTUGUESES!

"Portugal, the beauty of simplicity foi premiado este sábado na Polónia, no Film, Art & Tourism Festival. O filme promocional turístico de Portugal foi distinguido em Varsóvia na categoria “The best film promoting country, region or city” com o segundo prémio, entre 220 filmes internacionais candidatos.

Produzido pela Krypton Films para o Turismo de Portugal, o filme é utilizado em várias acções promocionais do País, como feiras, eventos ou sessões oficiais de divulgação, além dos portais promocionais na internet e redes sociais, tendo sido apresentado em Janeiro na Fitur (Madrid). Esta ferramenta de marketing complementa ainda a campanha internacional “Portugal, the beauty of simplicity”, em curso na Alemanha, Espanha, Reino Unido, Dinamarca, França, Holanda, Irlanda, Noruega, Suécia, Rússia e na própria Polónia.
Ao longo de quatro minutos, e ao som da música composta por Nuno Maló, são apresentadas imagens dos principais “activos” turísticos do País, incluindo o mar, a natureza e a gastronomia, passando pela oferta cultural, pelo golfe, surf, pelas paisagens humanas ou pela animação nocturna."